Vamos concretizar um sonho! Vota Luís Pingu Monteiro!

segunda-feira, março 26, 2007

Concurso: A Melhor Carta de Vinhos

Chegou-me na quinta-feira, por mail, a newsletter da Academia do Vinho. Como é referido no separador do nosso blog, nós temos com esta organização uma parceria que nos permite utilizar, aqui no vinhoacopo.blogspot.com, os conteúdos da newsletter semanal. E a da semana passada até continha uma notícia muito interessante:

Revista de Vinhos vai lançar concurso A Melhor Carta de Vinhos
(14 de Março de 2007)

Um concurso nacional com vista a escolher as melhores cartas de vinhos dos restaurantes portugueses. Esta é a iniciativa que a Revista de Vinhos, publicação da Media Capital Edições (MCE), vai apresentar ao mercado pela primeira vez no mês de Abril.

Em colaboração com a distribuidora de vinhos PrimeDrink, o título vai ‘convidar’ a participar nesta iniciativa mais de 1200 restaurantes nacionais, que para entrarem no concurso terão de pagar uma quota de inscrição de 10 euros, sendo que em troca recebem como oferta um Guia de Compras e um exemplar da Revista de Vinhos. Assim, e a partir de Abril, os restaurantes podem enviar as suas cartas de vinhos, que serão recolhidas até ao final de Julho. No mês de Novembro, e depois de analisadas por um júri, serão conhecidos os estabelecimentos vencedores.

Neste concurso serão entregues prémios nas seguintes categorias: Melhor Carta de Vinhos; Melhor Carta Regional; Melhor Carta na relação Qualidade/Preço. Os vencedores vão receber prémios como viagens a regiões vinícolas, armários de refrigeração para vinhos, equipamento para a venda de vinho a copo, assim como cursos à iniciação de provas de vinhos.

Esta iniciativa vai contar com uma campanha publicitária em meios da especialidade e em alguns meios generalistas. O responsável da Revista de Vinhos referiu ainda que esta iniciativa poderá vir a repetir-se, provavelmente, daqui a dois anos.


Entretanto, nesse mesmo dia, recebi a Revista de Vinhos. Pensava eu em dar a notícia aqui, se não em primeira mão pelos menos em mão não muito usada, quando li o seguinte trecho no artigo referente à reportagem do jantar de entrega de prémios anuais da revista:

Um novo prémio, para cartas de vinhos

João Geirinhas abriu a sessão e aproveitou para falar do novo prémio que a Revista de Vinhos está a organizar, dedicado às cartas de vinhos dos Restaurantes. Ou melhor, de prémios, no plural, porque são três: a Melhor Carta em absoluto, a Melhor Carta Regional e, finalmente, o prémio para a carta de vinhos com a melhor relação preço/qualidade.

Os vencedores, assegurou João Geirinhas, serão conhecidos em sessão especial a decorrer no próximo Encontro com o Vinho e Sabores, em 3, 4 e 5 de Novembro, no mesmo pavilhão do Centro de Congressos de Lisboa. A iniciativa foi muito aplaudida na sala.

Fiquei envergonhado! Então eu estive lá e não ouvi nada disto! Podia argumentar que no fundo da sala o fraco som que emanava das roufenhas colunas não me teria permitido ouvir esta novidade. Mas não é verdade! Estive, assumidamente, distraído.

O segundo pensamento que tive foi: excelente ideia. E após este, o terceiro pensamento: como é que a Revista de Vinhos vai controlar a veracidade das informações dadas pelos restaurantes? Daqueles que estão a ler esta palavras, e seguíram a ordem de leitura deste post, quem é que ainda não lhe passou algo semelhante pela mente?

É legítimo pensar que será árdua a tarefa de assegurar que as cartas apresentadas pelos restaurantes correspondem realmente aos vinhos que estes possuem, ao serviço de vinho que eles prestam e aos preços que praticam. Receio uma súbita onda de promoções virtuais nos restaurantes portugueses. :)

Não sei o que significa exactamente cada prémio. Não conheço os critérios de avaliação. Não conheço qual a constituição do júri. Mas penso que o consumidor deve ter um papel importante neste concurso. Não na designação dos vencedores mas sim na validação dos resultados. Na cobrança do prometido. Na ratificação dos critérios de avaliação. Na monitorização da aplicação do enviado a concurso.

Não sei qual será a forma da apresentação dos prémios mas, desde já, apelo à Revista de Vinhos que apresente uma espécie de top ou ranking de restaurantes para cada região de Portugal (especialmente, na categoria preço-qualidade) invés de apresentar apenas um único vencedor por prémio. Esta divisão permitiria que os consumidores de cada região tivessem a oportunidade de “ratificar” melhor a classificação pois será difícil, por exemplo, que um consumidor de Lisboa consiga “monitorizar” um restaurante em Braga. Por outro lado, conseguía-se criar um guia dos restaurantes em cada região que tratam bem o vinho o que permitiria que, pegando no mesmo exemplo, o consumidor de Lisboa quando visita Braga saiba onde se deslocar. Ou vice-versa.

É pois meu desejo que estes novos prémios sejam um sucesso e que consigam garantir um estatuto de importância tal que convençam ou obriguem os restaurantes portugueses a terem efectivamente melhores cartas de vinhos.

7 comentário(s):

Paulo Pacheco disse...

Esta... até dá vontade de rir.

Meus amigos... o que é uma boa carta?
uma boa carta para mim não será necessariamente diferente de uma boa carta para a "casa"?
Melhor - Quais os critérios?
na minha opinião e sabendo de antemão que tipo de cartas a revista de vinhos costuma elogiar (as tipo biblia) acho-as más. Principlamente do ponto de vista economico do ponto de vista da "casa".
Ou seja uma "boa carta" é uma carta equilibrada? ou super extensa?

Paulo Pacheco disse...

será desta que nos encontramos na York?

jgr disse...

Não percebo o que quer dizer com «uma boa carta para a "casa"» ou o «ponto de vista económico do ponto de vista da "casa"»!
Será aqui que devemos rir?
A distinção entre equilibrada ou super extensa também não tem muito sentido. Conheço algumas muito extensas que não são nada equlibradas e duvido que sejam apreciadas pelos criticos. Não me atrevo a dizer o contrário porque o meu critério de equlibrio pode não ser o mesmo do seu. Por abusrdo, ter um vinho por cada região, por exemplo, poderia para alguns parecer o máximo do equlíbrio mas para mim seria um desastre.
Ao fim ao cabo o que gostamos numa boa carta de vinhos?
- Diversidade da oferta? Um carta "encostada" a único distribuidor é uma boa carta?
- Bons vinhos para todos os segmentos de preço? Ou só vinhos caros? Ou só vinhos baratos?
- Que política de preços? De acordo com o serviço? A mesma margem para todos os vinhos?
- Actualização face ao mercado? Só "narises de cera"? Ou só as últimas novidades?
- Vinhos estrangeiros, sim ou não?
- Lista de vinhos a copo?
- Informação sobre o vinho é relevante? Obrigatório a data de colheita? E descrição do vinho, vale ou não a pena fazer-se?
- Vinhos agrupados por regiões de origem ou por características organoléticas? Sugestão de parcerias com a comida?
Já vê que há muito para dizer sobre as cartas de vinho. E se calhar muito para rir... e muito para chorar!

rui disse...

Caros,

A ideia em si parece-me boa. Principalmente se for atingido o objectivo que referi no post (criação de um guia de restaurantes dedicados ao vinho por região e melhoria das cartas de vinho em geral).

Como referi, não conheço os critérios de avaliação. Cada um de nós tem a sua noção de boa carta de vinhos (confesso, que para mim, se tiver bastantes novidades, e alguns valores seguros, servidos perto da temperatura correcta em razoáveis copos e a preços “não muito roubados”, está excelente!). Como diz o JGR, há quem em prefira os “narises de cera” e os outros que preferem as novidades. Há outros que não se importam com o preço. Outros que lhes basta uma região, enquanto outros, querem que a carta tenha vinhos de todas as regiões mas depois na verdade escolhem sempre da mesma. Ou seja, acredito que a definição dos critérios não vai agradar a todos e provavelmente eu tb serei um dos críticos - já é meu apanágio.:)

De qq modo, aplaudo a ideia. Sendo coerente com o que escrevi em comentário do post anterior (sobre as notas de prova via WAP): viva as ideias; logo se vê os resultados!

Um abraço,
RC

Paulo Pacheco disse...

Não percebo o que quer dizer com «uma boa carta para a "casa"» ou o «ponto de vista económico do ponto de vista da "casa"»!
Será aqui que devemos rir?

Antes de mais... não estou a "atacar" a ideia. Acho-a optima. O que é de rir é que os critérios são tão dispares de cliente para cliente, de casa para casa... que vai ser o cabo dos trabalhos.
imaginemos 2 restaurantes:
Se um tiver na sua carta 500 vinhos e outro tiver 60, posso logo á partida dizer que uma é melhor do que a outra? claro que não.. e eu sei que a RV também sabe isso. o problema é que as "visões" de uma boa carta são tão dispares, quase quantas as "cabeças pensantes".
Por isso é de rir.... eu rio mas a RV tem um optima dor de cabeça para resolver.
Do ponto de vista do cliente o optimo são as cartas tipo biblia.
do ponto vista do restaurante são as cartas equilibradas entre oferta e valor em stock? ou não será?

João disse...

Do meu ponto de vista, uma boa carta é aquela que nos dê alguma flexibilidade de escolha (vários vinhos, com vários patamares de preços, para cada uma das regiões), se mantenha a par das novidades e apresente valores adequados.

Fui à tempos ao Valle Flor no Pestana Palace. Olhando para a carta vê-se os vinhos mais conceituados, mas falta ali alguma personalidade. Parece uma carta de quem pega num guia de vinhos e compra os melhores pontuados,ie não há nada de diferente.

Por outro lado temos o Eleven. Não é um restaurante que me traga boas recordações, mas assume um gosto de Chef - os vinhos do Dão. Goste-se ou não, há uma preferência por este tipo de vinhos.

Se pensarmos noutras boas cartas, há aqueles que NÃO têm cartas, ou não as têm actualizadas - Orelhas, Veneza, Horta dos Brunos ..., mas têm claramente a maior escolha de vinhos possíveis a preços bastante interessantes.
Quem pontua estes ?

Na mó de cima, agora está o Ágora. Hoje devo lá ir novamente beber qualquer coisa interessante a um bom preço. E pelo leque de opções, ainda tem margem para mais uma dúzia de visitas.

Um abraço a todos

Elvira disse...

Caros amigos e amigas,

Como devem ter notado, os blogues de culinária em língua portuguesa estão tornando-se um fenómeno de sociedade. Já podemos até falar de uma verdadeira comunidade de blogueiros e blogueiras que partilham interesses comuns pela gastronomia, as boas mesas, o vinho... Em suma a arte de bem viver.

Todos esses factos incentivaram-me a criar o portal Cozinhas do Mundo: http://www.cozinhasdomundo.com/ que se encontra por enquanto em fase de teste.

Nesse portal vão aparecer diariamente todos os links para os posts publicados pelos autores dos blogues de culinária inscritos (cadastrados), permitindo que qualquer pessoa que tenha interesse pelo assunto possa seguir a actualidade dos seus blogues favoritos numa única vista de olhos. Já existem várias comunidades do mesmo tipo noutras línguas, como a Food Porn Watch(http://foodpornwatch.arrr.net/) em inglês e a *Blog Actu* (http://www.blog-appetit.com/web_appetit/food-blog-news.asp) francesa.

Obviamente, só aceitaremos blogues directamente relacionados com gastronomia (receitas, crítica gastronómica, vinho...) escritos principalmente em língua portuguesa.

Além de querer ser um ponto de encontro para os blogueiros e os apaixonados de comida, o site também contará num futuro próximo com entrevistas de chefes, iniciativas diversas, intercâmbios, etc.

Por enquanto, convido-vos a visitar o site http://www.cozinhasdomundo.com/ e a registar/cadastrar os vossos blogues.

Agradeço desde já a vossa colaboração e amizade.

Um abraço,

Template original desenhado por Dzelque Blogger Templates