Vamos concretizar um sonho! Vota Luís Pingu Monteiro!

sexta-feira, fevereiro 22, 2008

Um Jantar Original

Há dias assim. Vou a caminho do barbeiro para dar um toque da gandufa quando toca o telemóvel. Uma chamada de Cristo: “Tenho um amigo que faz anos e está a organizar um jantar para hoje. Não vai faltar vinho e só pagamos a comida, queres vir?” Ora, como não sou homem para recusar um convite para comer e beber,”tudo bem”.

O amigo chama-se Mário Fonseca e tem uma paixão: difundir vinhos do Douro pelos amigos. E porquê do Douro? Porque a família é proprietária da Quinta do Barão na bafejada região. A quinta não faz os escaparates das revistas da especialidade pois são apenas viticultores, fornecendo as uvas à Sandeman (Ferreira).

O facto de não produzir uma marca própria não o impede de tentar divulgar as marcas dos amigos e conterrâneos. Assim, há já alguns anos que no jantar de aniversário reúne um conjunto largo de vinhos de diferentes produtores da região. Uns oferecidos pelos produtores, outros comprados por ele e os restantes levados pelos convidados (a malta não gosta de chegar de mãos a abanar). Nesse dia, fechou o restaurante Alfândega, em Alcântara, e encheu o mesmo com mais de 60 amigos e amigas.

Mas um dos aspectos mais interessantes destes jantares é uma brincadeira, como faz questão de sublinhar, que o Mário propõe. A cada um dos convivas é entregue uma folha com um quadro de pontuação dos vinhos em prova. Nesta edição, os vinhos em prova não continham brancos e pretendiam ser diversificados do ponto de vista do preço e da pretensão qualitativa. A escala adoptada, à qual tive que me habituar, foi a conhecida 10-20 valores. A todos os níveis, uma forma original e, acima de tudo, motivadora de convencer os amigos a beber Douro.

Apesar de não gostar de provar muitos vinhos no mesmo jantar, tomei em mãos a responsabilidade de fazer o meu melhor e não defraudar as expectativas (o Mário é leitor do blog). Saquei do meu bloco de notas, coloquei o ar mais profissional possível e tentei fazer critica séria :). Nem todos vinhos que provei faziam parte da lista oficial dos vinhos em prova (contavam para as estatísticas feitas pelo Mário e tudo), pelo que o outsider está marcado com asterisco.

Segue as minhas notas de prova pela ordem que foram servidos a acompanhar os vários petiscos. Uma nota importante: os tintos estavam ligeiramente quentes e apenas nos Portos conseguimos intervir de modo a refrescá-los a tempo da sobremesa.

Qt. Baldias 2004
Aroma pouco exuberante com equilíbrio entre a fruta e a barrica. Boca média, ligeiramente frutado com taninos ainda presente e secura da madeira. Final ardente a especiarias e álcool. Um vinho que demonstra uma estrutura com potencial (devido às vinhas velhas) mas que precisa de afinação. Rolhas 3

Qt. Monte Travesso Reserva 2005
Aroma marcado pela baunilha. Boca morna com fruta madura. Final ligeiramente agressivo e pouco domado (travesso, portanto). Precisa de mais tempo para integrar a barrica. Rolha 3

Meandro do Vale Meão 2005
Ligeiro mofo a sugerir problemas de “rolha”. Nas duas garrafa em prova. Estranho, já que hà cerca de um mês e pouco bebi uma sem qualquer tipo de problemas. Rolhas N/A

Qt. de La Rosa 2006
Aroma a frutos vermelhos com toque de madeira e alguns balsâmicos. Boca frutada, macia, fácil de beber. Apresenta um final doce que pode afastar alguns e por isso deve-se beber um pouco mais fresco. Um vinho de fácil agrado e que se bebia ainda melhor se tive um grau alcoólico mais baixo. Rolhas 3

Perfil 2005
Bem casada a madeira com a fruta. Alguma esteva. A boca apresenta um ligeiro rendilhar (a fazer lembrar certo vinhos de Baga ou problemas no engarrafamento). Deixar decantar. Depois, aparece-nos correcto mas sem entusiasmar. Rolhas 3

Qt. Infantado 2005
Aroma fresco com toque vegetal muito agradável. A boca é também ela fresca com boa acidez e muito bom beber. Muito agradável e nada cansativo. É mesmo destes que eu gosto de beber “à vontade”, até porque o grau alcoólico contido ajuda. Excelente preço para quem conseguir encontrar (cerca de 5€). Rolhas 4

Qt. Vallado Touriga Nacional 2005
Aroma com ligeira madeira e toque floral da Touriga. Na boca predomina a fruta madura apoiada numa razoável acidez que não faz cansar a prova mas que ainda assim acho que devia ser mais elevada para tornar o vinho mais espevitado e menos pastelão. Provavelmente foi aqui prejudicado pela temperatura de serviço menos correcta. Não era preciso olhar para o rótulo para perceber que este era o vinho até aí provado com maior arcaboiço e por conseguinte com maiores pretensões. Rolhas 4

Odisseia Reserva 2005
Aroma com ligeiros tostados mas ainda algo fechado. A boca apresenta fruta madura com ligeiro doce alcoólico no final. Taninos algo rijos. Percebe-se que este vinho também tem estrutura e pretensões a outros voos. Falta-lhe um pouco de finesse, talvez. Rolhas 3,5

* Talentus 2005
Aroma pouco exuberante com a madeira ainda a dominar a fruta. A boca apresenta um vinho onde a fruta madura predomina. Final ligeiramente químico. Falta-lhe alguma definição para escalar para o patamar seguinte. Este foi o vinho que nós levamos. Duas garrafas. Para galo, a primeira garrafa tinha problemas fortes de “rolha” ou de outra contaminação qualquer. Nem à distância de um palmo do copo se podia estar. A segunda garrafa estava boa. Rolha 3,5

Churchill’s Estate 2005
Aroma fresco e equilibrado. Boca frutada com boa acidez num conjunto sem grandes pretensões e de fácil prova. Outro vinho agradável de beber. Rolhas 3,5

Qt. Baldias Vintage 2003
Alguma erva-doce e giesta. Toque doce a chocolate. A boca é média, doce a chocolate preto. Final ardente e alcoólico. Servir um pouco mais fresco do que o habitual. Rolhas 3

Taylor’s LBV 2002
Aroma doce já com algum fico seco e bem maduro. A boca segue adocicada a figo e final curto a álcool. Servir bem fresco ou com gelo(!). Rolhas 2

Qt. Vale Meão Vintage 2004
Aroma fechado com ligeira percepção alcoólica. Na boca, o álcool toma conta da prova tapando a fruta. Por agora está muito difícil de mostra algo. Algo desapontante. Rolhas 2

Warre’s Qt. Cavadinha Vintage 1995
Cor bem nos vermelhos fortes sem mostrar sinais de declínio. Aroma doce a passas e figo. Na boca mistura de frutos vermelhos com frutos seco. Final doce, agradável e prolongado. Está porreiro, pá! Rolhas 3,5

Taylor’s Qt. Vargellas Vintage 2004
Aroma fechado com matizes balsâmicas e alguma erva-doce. Na boca é a erva-doce que predomina. Final a deixar algumas especiarias. Dá uma prova mais fácil do que apontava o nariz. Rolhas 3,5


Como referi anteriormente, o Mário dá-se ao trabalho de fazer estatísticas (também deve ser “engenheiro”, como eu) sobre os vinhos provados. Estatísticas que muitas vezes dão-nos apontamentos interessantes pois reflectem a opinião de um conjunto alargado de consumidores com diversas experiências enófilas, diferentes gostos, diferentes níveis de conhecimento de vinhos e marcas. Ora, isto é óptimo porque a maioria não estava “contaminada” com os normais preconceitos relativos a determinadas marcas, anos de colheita e designações especiais de rótulos. Enfim, era um grupo mais puro na sua inocência e são resultados que reflectem honestamente o prazer de beber. Aos “impuros”, o VinhoaCopo emprestou 3: eu, o Cristo e o Nuno.:)


Estatísticas da Prova

Resultados Globais

QUINTA DO VALLADO Touriga Nacional 2005 - 16,87 (27 notas de prova)
CHURCHILL'S 2005 - 16,09 (11 notas de prova)
POST SCRIPTUM de CHRYSEIA - 16,00 (8 notas de prova)
QUINTA DO INFANTADO 2005 - 15,66 (9 notas de prova)
MEANDRO do Vale Meão 2005 - 14,22 (29 notas de prova)
QUINTA DE LA ROSA 2006 - 14,21 (31 notas de prova)
QUINTA DE BALDIAS 2004 - 14,07 (34 notas de prova)
QUINTA DO MONTE TRAVESSO Reserva 2005 - 13,96 (34 notas de prova)
ODISSEIA Reserva 2005 - 13,71 (7 notas de prova)
PERFIL 2005 - 13,55 (20 notas de prova)

As 5 Notas + de prova femininas (8/9 consistentes provadoras):

QUINTA DO VALLADO Touriga Nacional 2005 - 17,08
QUINTA DO INFANTADO 2005 - 15,5
QUINTA DE LA ROSA 2006 - 15,31
MEANDRO DO VALE MEÃO 2005 - 14,83
QUINTA DE BALDIAS 2004 - 14,17
QUINTA DO MONTE TRAVESSO Reserva 2005 - 14,17

As 5 Notas + de prova masculinas (20/21 consistentes provadores):

QUINTA DO VALLADO Touriga Nacional 2005 - 16,84
POST SCRIPTUM de CHRYSEIA 2005 - 16,5
CHURCHILL'S 2005 - 16,25

QUINTA DO INFANTADO 2005 - 16,0
ODISSEIA Reserva 2004 - 14,4


Eu tive acesso a todas as notas e rapidamente vos digo:
- Realmente o Qt. Vallado TN teve quase sempre as melhores notas. Não teve uma média mais alta porque houve dois provadores que lhe deram uma nota baixa (ou seja, não foi consensual).
- O Meandro do Vale Meão teve altos e baixos. Acho que os baixos foi de quem se apercebeu de que as garrafas não estavam em condições.
- O Churchill’s e o Post Scriptum acabam por ficar em segundo e terceiro porque não tendo muito provadores, foram todos consistentes. Pouco amplitude nas notas atribuídas.
- Os primeiros vinhos da noite tem mais provadores, o que se reflecte nas médias mais baixas. Por outro lado, era esperado pois a prova decorreu em teórico crescendo qualitativo.
- O Odisseia não agradou nada ao público feminino. Levou a ripada :)
- O Perfil e o Qt. de La Rosa foram os vinhos menos apreciados pelo lado masculino. O Qt. de La Rosa ainda teve uma ou outra nota bem alta mas a maioria trouxe-o para baixo. O Perfil nunca saiu lá debaixo.
- O Qt. Infantado, não fossem 2 notas mais fracas, e podia ter levado o caneco. As restantes estiveram no 16 e acima.
- Nos Portos apenas houve consistência de prova para 3/4 provadores (imaginem quem) pelo que não vale a pena apresentar estatísticas.


Resumido, uma noite bem passada. Uma forma original de passar um aniversário. Aplauso prolongado para a perseverança e carolice demonstrada. É o tipo de coisas que só resulta porque é feito com paixão. Obrigado Mário pelo convite. A malta que representou o VinhoaCopo gostou imenso. Desejamos-te muitos mais aniversários destes. Com boa pinga e bons amigos.


p.s.(1) Estranhei tantos vinhos com problemas. Não me tem acontecido muito.
p.s. (2) Ainda havia mais vinhos mas não deu para ir a todos. Aguenta fígado que no outro dia descansas. :)

8 comentário(s):

Pratas disse...

Tratam-se bem vocês :)

Belo texto, gostei da estatística e da separação de homens e mulheres.

abraço

rui disse...

Caro Pratas,

as estatisticas não são da minha responsabilidade. Foram-me enviadas pelo Mário. Como sou curioso destas coisas, ele depois acabou por me enviar a grelha com todas as notas para eu poder tirar mais umas quantas conclusões.

Um abraço,
RC

p.s. estivemos à hora certa a receber o telefonema certo. Nada mais.:)

Copo de 3 disse...

É notável a boa forma em que os vinhos do Douro se mostraram... até conseguiram ter aquele enigmático aroma a bafio, deve ser da humidade do rio.

Kroniketas disse...

Pelo que percebi, com notas maioritariamente entre a 3 e as 4 rolhas, não houve assim um vinho que te encantasse verdadeiramente. Ou percebi mal?

rui disse...

Caro Kroniketas,

sim, pode-se dizer que os 4 são um entusiasmo contido. Apesar de deixar claro que o Qt. Infantado ao preço que está (se algum encontrar) é um grande achado. Numa análise autocrítica, diria que só fico verdadeiramente encantado (tipo, adolescente a quem lhe apareceu a Jessica Alba à porta)a partir do 4,5.

Por exemplo, o Cristo e o Nuno ficaram encantados com o Qt. Vallado TN.

Um abraço.
RC

p.s. Confesso que não sei quais são as miúdas que estão a bombar no imaginário dos adolescente de hoje. Mas se fosse adolescente, a Jessica Alba era uma forte candidata :)

Mario disse...

Caro Rui,

Fico muito contente por terem gostado do conceito!!
Acabou por ser um jantar com um grupo de enófilos divertido e despreocupado em que mais de metade se esforçou para escrever numa folha de papel qual é que gostava mais.

Correu tudo mto bem à parte do (grande) pormenor da temperatura de alguns vinhos. É um grave defeito que tenho.. pensar que posso controlar tudo sózinho :)

Já estou a pensar numa prova de alentejanos. Dão e Estremadura tb me agradam ( perdoem-me a descortesia face às restantes regiões portuguesas ).

Obg por toda a vossa ajuda!

Um abraço do Douro,
MF

Pedro Sousa P.T. disse...

Realmente convites destes não surgem todos os dias. Ou melhor, todos os meses. Ou ainda melhor, todos os anos... o Senhor Mario é amigo!!! Não faltes aos Alentejanos.
Abraço.

rui disse...

Caro Mário,

sou um grande fã de quem tem boas ideias e, tenho o maior respeito, por quem as põe em prática (eu, infelizmente, ponho muito pouco em prática as minhas ideias).

Um forte aplauso pela carolice.

Um abraço,
RC

Template original desenhado por Dzelque Blogger Templates